Lesões no Vôlei

Médico ortopedista especialista em joelho e médico do esporte

O vôlei é um esporte que mistura potência muscular, rápidas mudanças de direção e saltos repetitivos. Em função disso, jogadores estão expostos a lesões traumáticas principalmente na mão (trauma com a bola), tornozelos e joelhos (entorses) e, também, a lesões por esforços repetitivos acometendo o ombro, cotovelo, coluna e joelhos.

A maior parte das lesões está associada a três gestos esportivos: saltos, golpes de ataque e bloqueio.

Saltos

  • O salto é uma das características mais importantes em relação à performance do jogador de vôlei e, ainda assim, muitos jogadores de alto rendimento apresentam uma mecânica de salto inadequada. Isso não apenas impacta na performance, mas também no risco de lesões: entre 60% e 70% das lesões que ocorrem no vôlei estão associados à aterrissagem de saltos.
  • A entorse de tornozelo acontece, principalmente, ao pisar sobre o pé de outro jogador durante a aterrissagem de saltos, ainda que possam ocorrer em qualquer movimento de mudança de direção.
  • Dores no joelho ou na coluna estão associados ao estresse repetitivo da aterrissagem dos saltos.

Golpes de ataque

  • A hiperextensão da coluna durante a preparação para o saque ou para cortar a bola, quando feita de forma repetitiva, pode levar a um tipo de fratura por estresse, denominado de espondilólise, no arco posterior das vértebras. Jogadores de vôlei que sofrem com dores nas costas, que piora com o movimento de extensão da coluna, devem ser investigados quanto à possibilidade de espondilólise.
  • A desaceleração do ombro após cortar a bola leva a um estresse repetitivo sobre a cápsula posterior e um consequente encurtamento desta cápsula. Este encurtamento gera uma mudança no eixo de rotação e, com isso, a uma lesão por impacto no ombro. Além da dor, é possível observar uma limitação do movimento de rotação do ombro destes atletas.
  • Ao atacar a bola, o jogador precisa manter o punho bastante estável, o que é feito por meio da contração da musculatura que estabiliza o punho. Esta musculatura se origina a partir de duas proeminências localizadas no cotovelo, os epicôndilos medial e lateral. O estresse repetitivo sobre estas estruturas pode levar a uma inflamação bastante característica, denominada de epicondilite.

Bloqueio

Está associado, principalmente, a lesões nos dedos, em função do trauma com a bola.

Lesões mais frequentes

Estudo com jogadores de elite de vôlei na Suécia demonstrou a seguinte distribuição de lesões:

Lesões no ombro

25% dos jogadores de vôlei perdem ao menos uma partida ou treino ao longo de uma temporada devido a dores no ombro.

O ombro do jogador de vôlei sofre com um problema comum a outros atletas arremessadores, ao que se denomina “ombro do arremessador”. Durante a fase de desaceleração do ombro que ocorre após o saque ou cortada, a cápsula que estabiliza a parte de trás da articulação sofre com micro lesões repetitivas; estas micro lesões cicatrizam por meio de fibrose (tecido cicatricial), levando a uma retração (encurtamento) desta cápsula.

Com isso, o jogador perde parte do movimento de giro do ombro para dentro e seu eixo de rotação é alterado, levando a um impacto entre os ossos que se articulam no ombro. Este impacto pode levar à inflamação nos tendões que envolvem o ombro (manguito rotador) e ao desenvolvimento de dor; com o tempo, podem ocorrer degeneração e lesão destes tendões.

A principal característica no exame físico destes jogadores é a perda do movimento de giro do braço para dentro, que será diferente entre o membro dominante e o não dominante. Esta limitação pode ser percebida antes mesmo que o atleta apresente dor e, neste caso, o mesmo pode se beneficiar de um trabalho de alongamento da cápsula posterior, de forma a prevenir o desenvolvimento de lesões.

Nos pacientes que já apresentam dor, o alongamento da cápsula tende a levar a uma melhora significativa dos sintomas.

Lesões na coluna

Dor na coluna é bastante comum entre jogadores de vôlei. Impacto repetitivo e o excesso de movimentos de tronco levam a uma sobrecarga na coluna, que com o tempo pode causar uma doença degenerativa dos discos intervertebrais.

A hiperextensão da coluna, que ocorre na fase de armação para o saque e para os golpes de ataque, pode levar ao desenvolvimento da espondilólise, um tipo de fratura por estresse que ocorre em atletas que praticam muito este movimento.

Lesões na mão

Os dedos são vulneráveis ​​a lesões em decorrência do trauma direto contra a bola. Lesões comuns nos dedos incluem fraturas, luxações e lesões nos tendões e ligamentos. Estas lesões devem sempre ser vistas por um médico especialista para determinar o tratamento específico. Exames como a radiografia serão, geralmente, solicitados para confirmação diagnóstica.

Lesões no Joelho

A tendinite patelar, conhecida como “joelho do saltador”, é especialmente presente entre jogadores de vôlei e caracteriza-se por dor na frente do joelho, principalmente durante a aterrissagem de saltos.

Está associada a deficiências musculares e a uma mecânica ruim de saltos: estudos mostram que atletas que aterrissam com os joelhos mais esticados apresentam menor amortecimento e, com isso, são mais acometidos pela tendinite patelar.

Exames de cinemática podem ajudar na avaliação da mecânica do salto, enquanto testes de força, como a dinamometria, ajudam a identificar eventuais fraquezas ou desequilíbrios musculares. Estas deficiências podem, então, ser abordadas individualmente em um programa de prevenção.

O joelho está, também, exposto ao risco de torções no joelho. As torções ocorrem em duas situações:

  • Quando há um choque entre os atletas no ar, o mesmo pode se desequilibrar e aterrissar de forma inadequada, torcendo o joelho;
  • Quando o atleta aterrissa sobre o pé de um outro jogador.

As entorses do joelho podem levar a lesões características, como uma lesão no menisco ou lesão do Ligamento Cruzado Anterior.

Tornozelo

A entorse do tornozelo é a lesão traumática mais comum entre jogadores de vôlei. Pode ocorrer por uma aterrissagem desequilibrada de um salto, ou ao se aterrissar sobre o pé de outro jogador. A maior parte deles cicatriza bem com o tratamento não-cirúrgico.

Além disso, a tendinite de Aquiles é relativamente comum, principalmente entre atletas mais velhos. Está associado a uma aterrissagem de salto mais seca, com amortecimento inadequado, ou a uma deficiência na musculatura da panturrilha.

Você tem lesões no vôlei?

Gostaria de fazer uma avaliação com o Dr. João Hollanda?

Você pode agendar sua consulta presencial ou por Telemedicina

Agende sua Consulta
Agende sua consulta