Joelho valgo no adulto

O joelho valgo, também conhecido como geno valgo ou pernas em tesoura, é uma forma de mau alinhamento das pernas na qual, ao olhar a pessoa de frente, os joelhos ficam próximos um do outro e os pés se afastam. Deve ser diferenciado do joelho varo, condição em que ocorre o oposto: os pés se aproximam um do outro e os joelhos se afastam.

Essa é uma condição bastante comum em crianças pequenas: elas passam a apresentar este tipo de alinhamento a partir dos 2 anos de idade e isso se torna mais proeminente entre 3 e e 4 anos.

Depois disso, o valgo diminui gradativamente até os 7 anos aproximadamente, quando a criança passa a ter um alinhamento já bem próximo do que terá na idade adulta. Na faixa etária adolescente, espera-se uma mudança mínima, se houver, nesse alinhamento.

O que causa o joelho valgo no adulto?

O joelho valgo no adulto pode ser fisiológico ou patológico.

  • Joelho valgo fisiológico: Representa uma característica anatômica própria do paciente. Aproximadamente 10% das pessoas permanecem com o joelho valgo na adolescência e na idade adulta, sendo isso ligeiramente mais comum em mulheres e em pessoas obesas. Na maior parte das vezes, o desalinhamento é leve e sem maiores consequências, mas algumas poucas pessoas podem permanecer com um valgo mais significativo sem que isso seja consequência de qualquer problema.
  • Joelho valgo patológico: Nestes casos, o alinhamento em valgo é consequência de algum outro problema no joelho. As causas mais comuns são o desgaste isolado da parte interna do joelho, a lesão no menisco lateral, lesões nos ligamentos (principalmente a associação de lesão do Ligamento Cruzado Anterior com o Ligamento Colateral Medial) e as fraturas. Vale aqui considerar que a artrose e as lesões nos meniscos ou ligamentos podem ser tanto a causa como a consequência de um joelho valgo.

Paciente com artrose assimétrica no joelho, com acometimento predominante do compartimento lateral, levando assim a uma deformidade em valgo no joelho.

Quais são as consequências do joelho valgo?

Quando o desalinhamento em valgo do joelho está presente, ao invés de o peso ser distribuído uniformemente no joelho ele se concentra apenas no compartimento externo da articulação, o que acarreta em inúmeras consequências, tais como:

  • A parte externa do joelho, exposta a forças aumentadas, se desgasta mais rapidamente e o torna dolorido;
  • Os ligamentos podem ficar alongados na parte interna do joelho e encurtados na parte externa;
  • A função muscular fica alterada, o que tem consequências sobre o movimento e a estabilidade do joelho;
  • Pode alterar a distribuição de forças em outras articulações do membro inferior e na parte inferior das costas, que podem se tornar sintomáticas.

Diagnóstico do joelho valgo

O diagnóstico do joelho valgo é feito ao observar o paciente de frente, com os pés paralelos e descalços. Neste tipo de mau alinhamento, os joelhos ficam encostados, enquanto os pés se afastam um do outro.

O médico deve buscar o diagnóstico não apenas do desalinhamento em valgo, mas também da causa deste desalinhamento. Serão pesquisados sinais clínicos de outros problemas no joelho, principalmente as lesões ligamentares. Além disso, o paciente será questionado quanto ao histórico de traumas, infecções ou outras doenças prévias.

O joelho valgo fisiológico acomete igualmente as duas pernas e não é causa de dor ou qualquer outro sintoma. O paciente refere que sempre teve as pernas daquela forma. Com o tempo, porém, a sobrecarga na parte lateral (externa) do joelho pode contribuir para o desenvolvimento de artrose ou de uma lesão no menisco lateral, o que pode levar a uma piora do valgo. A tendência, porém, é que esta seja uma evolução lenta.

No caso do joelho valgo patológico, o paciente irá referir que o alinhamento era bom e que, com o tempo, começou a entortar. Ele tende a ser doloroso e assimétrico (um joelho diferente do outro).

Dependendo-se do que se suspeita no exame clínico, exames de imagem deverão ser solicitados:

  • Radiografias: a radiografia simples do joelho é o melhor exame para a identificação de eventual artrose na parte externa do joelho (característico do joelho valgo) e também o desgaste nos outros compartimentos. O exame deve ser feito com carga, ou seja, com o apoio do peso sobre o joelho envolvido.

    A radiografia da esquerda demonstra uma radiografia normal do joelho, com espaço articular simétrico nos dois compartimentos do joelho. A radiografia da direita demonstra um joelho com desgaste assimétrico, acometendo predominantemente o compartimento lateral, provocando uma deformidade em valgo.
  • Ressonância magnética: ajuda na identificação de eventual lesão no menisco ou nos ligamentos do joelho.
  • Radiografia panorâmica dos membros inferiores: é uma radiografia usada para avaliar objetivamente o alinhamento do joelho. Deve incluir os dois membros, desde o quadril até o tornozelo, e deve ser feita com o paciente em pé. Esta radiografia ajuda a identificar qual o grau do desalinhamento e qual o osso responsável pelo desalinhamento (geralmente o fêmur). É um exame fundamental para a avaliação do paciente em que se considera uma cirurgia de realinhamento.

Uma dica prática: muitas clínicas e laboratórios que realizam radiografias simples não fazem este tipo de radiografia, já que o aparelho não é capaz de incluir todo o membro em um único filme. Assim, caso você tenha uma solicitação para realizar uma radiografia panorâmica dos membros inferiores, certifique-se de que o laboratório é capaz de realizar este tipo específico de radiografia.

Tratamento não cirúrgico do joelho valgo

A maior parte dos pacientes com joelho valgo apresenta desalinhamento leve a moderado, simétrico e indolor e sem lesões associadas. Nestes casos, nenhum tratamento específico deve ser indicado.

Casos que envolvem artrose do compartimento lateral e instabilidade ligamentar tendem a ser mais sintomáticos e progridem mais rapidamente, principalmente no paciente mais idoso e obeso. Assim, o controle de peso corporal é fundamental nestes pacientes.

As palmilhas e joelheiras se mostraram ineficazes em prevenir ou evitar a evolução da deformidade, mas podem ser indicadas com o objetivo da melhora da dor.

Deve-se ter cuidado especial nas lesões do menisco lateral que acometem pacientes com o joelho valgo: as lesões são, muitas vezes, uma consequência deste mau alinhamento e, mesmo lesionados, muitas vezes é o que está sustentando a articulação. O menisco poderia ser comparado ao amortecedor de um carro; no paciente com o joelho valgo, muitas vezes é melhor estar com este amortecedor quebrado do que ficar sem ele.

Casos em que o tratamento não cirúrgico não se mostra satisfatório devem ter o desalinhamento do joelho corrigido por meio de osteotomias juntamente com o procedimento de retirada ou reparo do menisco.

Tratamento cirúrgico do joelho valgo

Osteotomia femoral varizante

A osteotomia é um procedimento no qual o osso é cortado (como se tivesse sido quebrado), posicionado em um melhor alinhamento e, então, fixado com o auxílio de uma placa metálica e parafusos.

A maior parte dos casos de joelho valgo está associada a problemas no fêmur, de forma que a osteotomia femoral varizante é o procedimento mais frequentemente utilizado nestes casos. Ainda assim, esta não é uma regra absoluta e existem casos em que a deformidade encontra-se na tíbia.

Daí a importância de uma avaliação clínica completa antes da cirurgia.

A osteotomia não tem por objetivo curar a artrose. Mas, ao prover um melhor alinhamento, ela permite a melhora nos sintomas, retarda a evolução do desgaste e do desalinhamento e permite o adiamento de uma cirurgia mais definitiva, como a prótese total de joelho.

O procedimento é indicado, principalmente, no caso de pacientes jovens e ativos. Pode, ainda, ser indicado em associação com outros procedimentos, como a reconstrução do Ligamento Cruzado Anterior.

Discutimos mais sobre esta cirurgia em um artigo específico sobre osteotomia no joelho

Prótese de joelho

A colocação de uma prótese no joelho tende a ser melhor opção no paciente mais idoso e com menor demanda, por diversos motivos:

  • É um procedimento definitivo e que aborda a causa do problema, que é a artrose;
  • Permite a correção do desalinhamento no joelho;
  • O paciente mais idoso tende a apresentar um acometimento mais global do joelho, não apenas do compartimento interno, de forma que o resultado de uma osteotomia no joelho tem maior probabilidade de não prover o alívio desejado da dor.

Por outro lado, quando realizada em um paciente jovem e ativo, o risco de falha e necessidade de troca da prótese, no longo prazo, será maior. Além disso, funcionalmente, a osteotomia no joelho tende a ter melhor resultado no paciente mais jovem e ativo.

Discutimos mais sobre esta cirurgia em um artigo específico sobre Prótese no joelho.
Contato
(11) 98865-7635
Whatsapp