Transplante osteocondral (autólogo ou homólogo)

O enxerto osteocondral é um método de tratamento de lesões na cartilagem que busca a substituição da cartilagem lesionada por um fragmento de osso e cartilagem retirado do próprio paciente (autoenxerto osteocondral) ou de um doador de tecido (aloenxerto osteocondral). Essas técnicas são comumente usadas no joelho, mas podem eventualmente ser usadas em outras articulações.

Comparado com as técnicas de reparo da cartilagem (nas quais se busca oferecer um ambiente adequado para que o organismo forme uma nova cartilagem, como no caso da microfratura), as técnicas de substituição têm a vantagem de que a nova cartilagem será histologicamente semelhante à cartilagem original. Como desvantagem, devemos considerar a dificuldade de se encontrar um tecido que se assemelhe anatomicamente à área da lesão e as limitações com o tamanho do enxerto.

Técnica cirúrgica

  1. O procedimento se inicia pela avaliação artroscópica (por vídeo) da lesão. Primeiramente, será feita uma avaliação de todas as estruturas internas do joelho (ligamentos, cartilagem, meniscos). Outras eventuais lesões poderão ser tratadas de forma simultânea ao tratamento da lesão da cartilagem;
  2. Avaliação da lesão da cartilagem e confirmação da indicação para o transplante osteocondral;
  3. Preparo da lesão: Para o tratamento da lesão de cartilagem, é essencial que a qualidade da cartilagem nas bordas da lesão sejam estáveis e de boa qualidade. Qualquer fragmento instável deverá ser removido. Em função disso, mutas vezes uma lesão aparentemente pequena pode de fato se mostrar bem maior;
  4. O restante da cirurgia pode ser feito pela artroscopia ou por visualização direta (técnica aberta), a depender das características da lesão e da preferência / experiência do cirurgião. No caso da técnica aberta, será feita uma incisão no local da lesão;
  5. A mensuração da lesão é feita por meio de instrumentos específicos. Neste momento, é decidido quantos cilindros serão utilizados e o diâmetro deles;
  6. Retirada dos enxertos doadores: quando é feito o uso de aloenxerto, o cilindro osteocondral é retirado da mesma região anatômica onde está localizada a lesão. No caso do autoenxerto, o cilindro é retirado de uma área do joelho que não suporta o peso, no qual esta cartilagem não fará falta. Para isso, será necessária uma incisão extra;
  7. Preparo da área receptora, com a realização de um furo no osso com medidas semelhantes às do enxerto; mais de um furo pode ser realizado, para a introdução de igual número de cilindros;
  8. Introdução do enxerto sob pressão no furo realizado no passo anterior.

Pós-operatório

Os pacientes geralmente podem começar a suportar peso dentro de 4-6 semanas após a cirurgia. A atividade é gradualmente aumentada com o retorno ao esporte normalmente após 6-9 meses.

O que é melhor: transplante osteocondral autólogo ou homólogo?

Cada procedimento tem suas vantagens e desvantagens. O transplante autólogo tem a vantagem de preservar uma melhor viabilidade celular, já que ele é retirado do doador (o próprio paciente) no mesmo ato cirúrgico e não necessita de nenhum meio de conservação. Além disso, não tem o risco de infecção ou rejeição. Ainda que baixos, estes riscos estão presentes no caso dos aloenxertos.

Por outro lado, existe uma dificuldade na adaptação do formato entre a área doadora e a área receptora e uma limitação no tamanho da área doadora.

O aloenxerto, por sua vez, tem a vantagem de poder ser retirado de uma região anatomicamente semelhante à da área receptora, permitindo assim uma melhor adaptação anatômica, além de não ter limitação em relação ao tamanho do enxerto. O maior limitante é que os processos de conservação do enxerto levam à morte de boa parte das células, o que prejudica o resultado a longo prazo. Além disso, existe um fator limitante que é o baixo número de bancos de tecido no Brasil e a baixa disponibilidade de enxertos.

Contato