Opióides

Opióides

Os opióides são drogas obtidas a partir do ópio, substância extraída da planta Papaver somniferum, conhecida também como Papoula do Oriente. Podem ser classificadas em três grupos:

• Opióides naturais (morfina, codeína): drogas que não sofrem nenhuma modificação em laboratório.

• Opióides semi-sintéticos (heroína): drogas resultantes de modificações parciais destas substâncias em laboratório.

• Opióides sintéticos (meperidona e a metadona): drogas totalmente desenvolvidas em laboratório.

Efeitos dos analgésicos opióides:

• Efeito analgésico: Conhecido desde civilizações antigas, os efeitos analgésicos são decorrentes de uma menor percepção da dor pelo cérebro.

• Efeitos recreativos (não médicos): relacionados a uma depressão geral do cérebro.

• Efeito narcótico: os opióides costumam dar sono em seu usuário.

• Efeitos colaterais: dependem da droga utilizada e incluem náusea, tontura, vômitos, obstipação, boca seca e sedação.

Os opióides são contra-indicados na gravidez.

Indicação dos opióides

O uso dos opióides para pacientes com dor de câncer terminal não é questionado. Seus benefícios para uso a curto prazo a fim de se recuperar de uma lesão aguda ou após um procedimento cirúrgico doloroso também está bem estabelecido. No entanto, o uso a longo prazo para o tratamento de dores crônicas não cancerígenas permanece bastante controverso.

Enquanto muitos defendem seu uso como benéfico e humano, há preocupações válidas sobre seus possíveis efeitos negativos com o uso a longo prazo:

• Eficácia: A eficácia para uso dos opióides a longo prazo é questionável. Diversos estudos mostram que o efeito no alívio da dor no longo prazo não é superior ao de analgésicos simples como o Tylenol ou a Novalgina.

• Tolerância: Estudos mostram que pacientes em uso crônico de opióides desenvolvem tolerância à medicação, ou seja, quanto mais tempo o paciente toma estes medicamentos, menos eficazes eles se tornam. Na prática, o que isso significa é que, com o tempo, os pacientes geralmente precisam de aumentos periódicos na dose de opióides para obterem o mesmo nível de alívio da dor.

• Efeitos neurológicos: Pacientes em uso prolongado de opióides tendem a ficar com o pensamento mais lentificado e com menor capacidade de concentração. A memória pode ficar comprometida.

• Dependência fisiológica: Ao tomar medicamentos opióides por um longo período de tempo, os pacientes se tornam fisiologicamente dependentes. O corpo se ajusta a ter o medicamento em seu sistema. Como resultado, os pacientes tornam-se tolerantes ao medicamento e experimentam sintomas de abstinência se o medicamento for interrompido abruptamente. Todos os pacientes desenvolvem dependência fisiológica ao tomar medicamentos opióides ao longo do tempo.

• Dependência psicológica: Alguns pacientes passam a acreditar que é impossível controlar a dor com sucesso sem o uso de medicamentos opióides. Estes pacientes não estão dispostos a encontrar alternativas ao seu uso.
Agende sua consulta