Colágenos

O que são os colágenos?

O colágeno é a proteína mais abundante do corpo humano. Existem ao todo 16 tipos de colágenos, mas a maior parte é do tipo I, II ou III. Os tipos I e III são encontrados na pele, tendões, órgãos e ossos. O colágeno tipo II é o tipo predominante na cartilagem articular.

O colágeno é feito de aminoácidos, que são os blocos de construção das proteínas. Todos os tipos de colágeno são feitos dos mesmos 18 tipos de aminoácidos e fornecem oito dos nove aminoácidos essenciais.

Suplementos de colágenos

Existem no mercado diferentes tipos de colágenos que agem no corpo de forma diferente e com objetivos diferentes. São eles:

• Colágeno hidrolisado (peptídeos de colágeno): colágeno quebrado em pequenas cadeias de aminoácidos.

• Nomes comerciais: Disfor®, Colflex®, Mobility®, Motilex®

• Gelatina de colágeno: colágeno parcialmente hidrolisado (quebrado)

• Colágeno não desnaturado: colágeno em sua forma íntegra

• Nome comercial: UC-II®

Colágeno hidrolisado (peptídeos de colágeno)

Os peptídeos de colágeno, ou hidrolisados de colágeno, são cadeias curtas de aminoácidos produzidos a partir da quebra do colágeno. São encontrados na forma de proteína em pó. Por serem "pré-digeridos", são mais facilmente divididos em uma forma que pode entrar na corrente sanguínea, tornando-os disponíveis para os tecidos. Mais do que isso, eles aumentam a disponibilidade de aminoácidos específicos.

Após o consumo e a absorção, os peptídeos de colágeno são distribuídos por todo o corpo. Nas células, serão utilizados para formarem novamente as cadeias de colágeno, reparando e reconstruindo as células. Além disso, os aminoácidos são também utilizados para a obtenção de energia.

Gelatina de colágeno

Gelatina de colágeno é formada pelo colágeno que sofreu hidrólise parcial. As cadeias parcialmente hidrolisadas da gelatina retêm muita água, dando a ela sua consistência característica. A gelatina é um ótimo agente espessante para sobremesas e ensopados e é também utilizada para fazer geleias saudáveis. O colágeno pode ser misturado em qualquer bebida ou receita sem alterar a textura ou o sabor.

As gelatinas desenvolvidas para a suplementação do colágeno não devem ser confundidas, porém, com aquelas que encontramos regularmente nos supermercados. Estas costumam ter uma mistura de corantes artificiais, conservantes, açúcar e adoçantes. A quantidade de proteína é muito baixa, apenas o suficiente para gelificar. na verdade, possui muito açúcar e bem pouco da proteína extraída dos tendões, da pele e dos ossos de animais. “No fim, esta gelatina acaba sendo uma mistura de corantes artificiais, conservantes, açúcar, adoçante e a proteína em quantidades muito baixas, apenas para gelificar.

Colágeno não desnaturado (UC-II)

O colágeno não desnaturado tipo II (UC-II®) é uma forma patenteada de colágeno derivado do esterno de frango. Não se destina a ser usado pelo corpo como um reconstrutor de colágeno: o processo de digestão do colágeno “in natura” é bem mais complicado e sua absorção, no final, bem mais limitada. O mecanismo principal de ação do UC-II ocorre por um processo denominado de tolerância oral.

Pacientes com artrose e, principalmente, aqueles com artrite reumatoide e outras doenças inflamatórias, sofrem com um processo de destruição do colágeno por um processo denominado de “auto-imune”. Desta forma, a ingestão de pequenas doses de UC-II visa reduzir a resposta inflamatória e a destruição do colágeno tipo II na cartilagem, ao treinar, no aparelho gastrointestinal, o sistema imunológico do seu corpo para reconhecer e parar de atacar seu próprio colágeno.

Qual o colágeno mais indicado?

Tanto o colágeno hidrolisado como o colágeno não desnaturado têm espaço no tratamento da artrose do joelho, das lesões da cartilagem articular ou da condromalácia. São, porém, suplementos com estratégias diferentes e com diferentes mecanismos de ação. Ainda que seus benefícios possam compartilhar algumas semelhanças, podem ser considerados dois suplementos diferentes.

Algumas pessoas podem ter uma melhor resposta com um ou outro tipo mas, como regra geral, o colágeno não desnaturado tende a ter melhor resposta em pacientes com quadro inflamatório e autoimune associado.

Os resultados de pesquisa tanto em um caso como no outro são bastante variados, com estudos demonstrando boa eficácia e outros sem demonstrarem diferenças em relação ao uso de placebo. Ainda assim, na melhor das hipóteses são medicamentos que ajudam na redução da resposta inflamatória e melhora da dor, já que nenhum estudo de qualidade demonstrou qualquer benefício no sentido de proteção ou reparo da cartilagem articular.

Infelizmente, nenhuma medicação disponível no mercado atualmente se mostrou eficaz no sentido de reparo da cartilagem, ainda que possam ser úteis para a melhora da dor, o que justifica sua indicação eventual. Os colágenos devem ser usados sempre como uma parte de um tratamento que é muito mais amplo, e não como tratamento isolado.

O colágeno deve ser utilizado de forma preventiva?

Todas as pessoas, a partir dos 30 anos de idade, passam a sofrer um processo de envelhecimento que envolve, entre outras coisas, uma maior destruição das proteínas de colágeno. Em função disto, tem sido indicado a suplementação com o colágeno hidrolisado de forma preventiva, mesmo na ausência de lesões da cartilagem articular. A suplementação de colágeno ainda seria benéfica, também, para a saúde da pele, entre outras coisas.

A eficácia do uso preventivo do colágeno é bastante questionável, e os estudos de melhor qualidade não demonstram qualquer efeito preventivo, até porque os aminoácidos podem, na maior parte das pessoas, ser adequadamente oferecidos por meio da alimentação.
Contato
(11) 940107988
Whatsapp